terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Inimigo do seu deus

O maior inimigo do seu deus não é o ateísmo, mas o deus do seu vizinho

Quando um ateu assevera que deus não existe, muitos religiosos ficam escandalizados e admirados com o fato de que alguém que não acredita no sobrenatural se empenhe tanto no combate à crença religiosa. Chegam a dizer que isso é pouco inteligente.

Acontece que, dentre esses mesmos religiosos, que tanto criticam a postura combatente do ateu em relação à religião, existe uma guerra ideológica em torno de seus deuses e religiões. Por exemplo: o cristão abomina os deuses do hinduismo; o hindu não entende qual é a do cristão; o budista crê numa energia cósmica, que não tem nada a ver com um deus auto-revelado; e por ai vai.

Só para citar a batalha dentro do próprio cristianismo, não faz muito tempo, católicos e protestantes se matavam na Irlanda. A história do cristianismo está manchada com o sangue derramado por cristãos matando cristãos. Hoje, a guerra entre as várias ramificações do cristianismo migrou do campo sanguinolento para o “intelectualóide”.

É comum ouvir pseudocristãos, metidos a intelectuais, chamando os mais ortodoxos de estúpidos e, em resposta a esse tipo de ofensa, cristãos fundamentalistas suplicam ao seu deus para que castigue esses hereges maldizentes lançando-os no inferno, juntamente com pagãos e ateus.

A confusão é tremenda.

Por definição, cristão é alguém cuja vida é centrada nos ensinamentos de Jesus Cristo, mas na cristandade não há conformidade de pensamento a respeito de quem exatamente foi ou é esse personagem bíblico.

Para alguns de seus sectários Jesus é o Deus encarnado; para outros ele não é Deus, mas a criatura primordial da criação; para alguns Jesus foi mais um dentre os profetas; para outros ele foi apenas um ser humano muito sábio; quem sabe ele tenha sido um missionário extraterrestre? E, assim como acontece com as religiões, existe um Jesus Cristo para cada gosto, para cada bolso e para cada nível intelectual.

Na verdade, a única diferença entre um ateu e um crente no sobrenatural é a quantidade de divindades nas quais desacreditam. O ateu não acredita em divindade alguma, enquanto o crente rejeita todas elas, menos aquela por ele idealizada.

Em suma, o ateu tem tanto direito de criticar a fé religiosa alheia, quanto o cristão tem feito com o hinduísmo, ou o católico com o protestantismo... Assim, caro leitor, como a história tem demonstrado, o maior inimigo do seu deus não é o ateísmo, mas o deus do seu vizinho.
 
 
Enéias Teles Borges

3 comentários:

Bruno disse...

E quem seria o maior inimigo do raciocínio ateu? Só os teístas?
A confusão gerada pelas teorias panteístas não são exclusividade dessa categoria de raciocínio. Os ateus não estão imunes a isso. Uns acreditam em determinadas descobertas da ciência, outros em outras. Para alguns, o homem têm sua origem determinantemente irrefutável no continente africano. Outros desdém, porque uma parcela da ciência descobriu evidências da origem do homem moderno em Jerusalem.
Não creio que essa intolerância seja algo inerente aos teístas, mas sim aos homo sapiens em geral. No final das contas, todos acreditam ter provas, mas se esquecem que só possuem evidências.

Anônimo disse...

Bruno, ninguém acredita na ciencia, a fé só existe para o que não vemos...alguém revela, e ninguém se entende.
Ciência a gente vê, questiona e mudamos de idéia.
Vai estudar...

Anônimo disse...

Bruno, ninguém acredita na ciencia, a fé só existe para o que não vemos...alguém revela, e ninguém se entende.
Ciência a gente vê, questiona e mudamos de idéia.
Vai estudar...